A Ilha dos Templários

10 11 2008

Minha primeira semana em Bornholm foi de férias. Aproveitei que as aulas iriam começar somente na semana seguinte, que os dias estavam bastante longos e que eu tinha acabado de conseguir uma bicicleta emprestada para andar pela ilha toda. Nessas pedaladas, pensava muito no Brasil e nas pessoas que ficaram aqui, mas de uma forma que a saudade não apertava, pois eu estava direcionando toda a energia para o exercício físico. Era uma ótima maneira de sentir saudades!

Também na primeira semana, hospedou-se na nossa casa um missionário sul-africano, chamado Solomon, que foi um ótimo companheiro de pedaladas.

Hernani, Solomon e Vagn tomando café-da-manhã
Hernani, Solomon e Vagn tomando café-da-manhã

Bornholm é uma ilha em forma de losango, com 40 quilômetros de largura por 40 quilômetros de comprimento. Seu ponto mais alto, Rytterknægten, tem 162 metros de altitude em relação ao nível do mar e fica bem no centro da ilha. É um lugar perfeito para andar de bicicleta, isso sem contar os incontáveis quilômetros de ciclovias que interligam todas as suas cidades.

Apesar de ser um lugar tão pequeno, possui uma variedade enorme de paisagens. No noroeste, há desfiladeiros de rochas e praias pedregosas, e a mais antiga ruína da Escandinávia, o castelo de Hammershus. No sudeste da ilha, praias de areia branca e fina, que formam dunas de até 10 metros de altura, na região chamada de Dueodde. No centro da ilha, várias florestas replantadas de pinheiros, onde há animais selvagens como faisões, lebres, veados e raposas.

Jons Kappel - Desfiladeiros no noroeste de Bornholm

Jons Kappel - Desfiladeiros no noroeste de Bornholm

Hammershus - a maior ruina da Escandinávia

Hammershus - a maior ruína da Escandinávia

Dueodde - dunas de areia branca

Dueodde - dunas de areia branca

A ilha tem cerca de 40 mil habitantes, e um quarto deles mora na capital, Rønne. As outras grandes cidades são Nexø, Aakirkeby, Sandvig-Allinge e Gudhjem.

Moinho de vento simbolo da cidade de Gudhjem

Moinho de vento símbolo da cidade de Gudhjem

As principais atrações turísticas da ilha são as rundkirke, as igrejas com arquitetura exclusiva, construídas em forma circular, que serviam também como fortificações na Idade Média. São 4 no total, em Nyker, Nylars, Olsker e Østerlars. Reza a lenda que essas igrejas foram construídas pelos Cavaleiros Templários, e que estão milimetricamente colocadas nos vértices de um pentagrama, juntamente com a que fica na ilhota de Christiansø, ponto mais oriental da Dinamarca. Já foi até tema de um documentário no Discovery Channel!

Uma das igrejas circulares de Bornholm

Uma das igrejas circulares de Bornholm

O povo de Bornholm, como o restante dos dinamarqueses, é extremamente amigável, não perdem a oportunidade de te cumprimentar com um bom sorriso no rosto. A maioria absoluta fala inglês perfeitamente, e muitos ainda têm boas noções de alemão. São prestativos, porém fazem de tudo para não incomodar nem invadir a privacidade e a individualidade do próximo. Por isso a fama de serem frios e liberais: nenhum dinamarquês vai questioná-lo ou chamar a sua atenção por fazer qualquer coisa, a não ser que seja ilegal ou que esteja ferindo a sua própria individualidade. Assim, são muito dispostos a ajudar, dar informações, dar carona. Agradecem por tudo: pela comida, pela hospitalidade, pela gentileza do último encontro. Cabelos loiros, estatura alta e olhos azuis formam a maioria absoluta, e meu cabelo preto e olhos castanhos destoavam do cotidiano e chamavam a atenção.

Além do turismo, principalmente nas férias de verão, a ilha é especializada na pesca de arenque, sendo que o defumado é o prato típico (e delicioso). Além disso, muitas plantações de milho, soja e beterraba, assim como criações de vacas leiteiras e porcos.

Arenques defumados

Arenques defumados

Por falar em comida, depois de 12 dias jantando batata religiosamente, não aguentei e pedi para variarem o cardápio. A partir daí, pelo menos duas vezes por semana tinha arroz ou macarrão para acompanhar a carne no jantar.

E a cada dia que passava eu entendia cada vez mais o significado de uma palavra que não tem tradução do Dinamarquês para nenhuma outra língua: HYGGE! É um tipo de sensação boa, de conforto, de aconchego, de aceitação, de relaxamento, de tranquilidade. E entendia porque Bornholm era chamada de ilha do hygge: a cada dia me sentia mais confortável, mais em casa, mais aconchegado a todas aquelas novidades!

Anúncios