Onde tudo começa…

31 07 2008

Quase todas as pessoas que eu conheço têm uma relação de amor e ódio com a cidade que nasceu. Comigo não é diferente.

 

Montes Claros, coração robusto do sertão mineiro, princesinha do Norte, lugar de contrastes e surpresas. Está sempre entre as 10 cidades mais importantes do estado, com uma economia baseada na agropecuária e num distrito industrial que tenta engrenar há algum tempo.

 

Montes Claros é quase na Bahia, como todos dizem. É certo que temos uma conversinha mineira com um cantar baiano, tem micareta, tem umbu, cajá e graviola, tem muito da Bahia por lá, mas faltam mais de 400 km pra chegar na divisa… é quase a mesma distância de BH, e por essa lógica é quase BH também. Na verdade, a Grande Montes Claros vai de Curvelo até Vitória da Conquista, então a realidade é que a Bahia é que fica perto de Montes Claros!

 

Montes Claros by night

Montes Claros by night

 

Tem coisas que só acontecem por lá: a Avenida Sanitária é o ponto de encontro da moçada da cidade, onde estão os melhores restaurantes. Uma mulher levou 8 tiros na cabeça e sobreviveu. Um senhor foi operar do ouvido e saiu vasectomisado. Um bairro se chama Roxo Verde. Uma rua se chama Monte Plano. O Diário só saía às terças, quintas e domingos.

 

Mas tem muita coisa boa também: a fábrica de leite condensado da Nestlé, uma das únicas fábricas de insulina do mundo, Festa do Pentáurea, Festas de Agosto, Festa do Pequi, festa na casa de alguém, exposição agropecuária…

 

Como em qualquer cidade mineira, comer sempre é um dos melhores programas: seja uma pizza no Pappaula; uma coxinha com refresco de caju nas lanchonetes da Rua Camilo Prates, bem ali na frente do atual Mercado Popular; o inesquecível sorvete da Doçura; ou as guloseimas tradicionais do Mercado Municipal no sábado de manhã.

 

O Mercado, esse sim um grande ponto turístico e gastronômico da cidade. Encontra-se de tudo: carne, queijo, cachaça, rapadura, doces, frutas da estação, galinha, porco, tempero, verduras, folhas, gente de todos os tipos e de todos os lugares. É uma profusão de cheiros, cores, faces. Nunca gostei muito de fazer feira, mas foi ali que descobri que mercados são os melhores lugares para se conhecer a cultura de um povo, e sempre que viajo tento visitar algum mercado local.

 

Tem o Parque Municipal e sua lagoa com pedalinhos. Passeio divertido para fins-de-semana em família ou para curtir um pouquinho de natureza urbanizada. O zoológico ainda existe? Ou já existiu algum dia, com aquele casal de leões esquálidos, umas onças estressadas e uns macaquinhos tarados?

 

Parque Municipal

Parque Municipal

 

O Parque da Sapucaia, a rampa de asa-delta e o teleférico. Nunca andei naquele treco, pois tenho medo de altura. E na rampa, ficava longe da beirada, mas subir à pé até lá, junto com a vista da cidade, valia a pena! Ainda existe isso tudo ou a pressão imobiliária e o descaso das pessoas acabou com tudo?

 

O trânsito da cidade nunca foi um primor de qualidade. O asfaltamento das ruas sempre tem uma deformação, uma ondulação, um buraco. Ainda há carroças puxadas por cavalos e jumentos, e cavalos e jumentos dirigindo carroças… Tem muita bicicleta, mas o que impressiona é o número de motos nas ruas. Mototáxis, motoboys, motos particulares, tomando todos os espaços das ruas e avenidas…

 

Já tive oportunidade de voltar para Montes Claros algumas vezes. Já cogitei essa possibilidade por várias vezes. Agora que estão finalizando a Usina de Biodiesel então, a chance era muito grande. Mas não quero. Depois de conhecer o mundo além daquelas montanhas, é difícil voltar. Certamente não agüentaria levar um ritmo de vida montesclarense de novo. Prefiro continuar voltando somente a passeio, sem obrigações, apenas para visitar amigos, relembrar histórias com nostalgia, arroz com pequi e uma cachacinha!

 

É tanto tempo e tanta história que, provavelmente, haverá vários outros textos e casos envolvendo Montes Claros. O sertão nunca larga a gente!!!

Anúncios

Ações

Informação

3 responses

31 07 2008
Renata

OH! Delicia de cidade né? Não digo que nao troco por nada mas tenho muito orgulho de ser montesclarense. Com certeza muitos textos virão porque vc tem muita historia pra contar daqui mas tudo que foi citado continua tao ou mais legal pode conferir. Beijo e que venha o proximo!

1 08 2008
ely rene

Hernani: legal a introdução. Quanto à cidade natal… melhor partir para outro capítulo rapidamente! Vamos lá rápido para Janaúba, Francisco Sá (vc lembra de algo?), BsB, Montes Claros de novo, Dinamarca – a sua redenção, onde vc abriu sua cabecinha dura e implicante achando que era o bambambâ, Montes Claros de novo e quase a sua perdição total por voltar a ser um matuto como antes de sair, Bsb de novo, BH com o estudo, estágios, emprego e revolta no banco e o desejo de ir para a Inglaterra. A grande mudança – Petrobrás. Agora vc está numa rotina que logo logo se tornará sem rumo. Casar? ou ter filhos? Ambos? Com certeza uma grande mudança. Novos capítulos virão por aí.
Mas um conselho e um pedido… saia logo de Montes Claros cara!!!! Escreva outra página …

Resp: Desse jeito você conta o final do filme… calma que tem muita coisa legal vindo por aí!!!!

24 09 2010
roberta

Adorei o texto..sou montesclarense “pé rachado” “roedora de pequi”. Amo minha cidade…só que, nós que quiemamos nesse sol escaldante merecemos melhores oportunidades em nossa terra!!!!Moc cresce e nós …montesclarenses..também merecemos crescer!!!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s




%d blogueiros gostam disto: